segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Saber envelhecer é mesmo uma arte.

Saber envelhecer é mesmo uma arte. Ainda mais numa sociedade que valoriza a eterna juventude, como se a velhice fosse algo a temer ou esconder. Não à toa assistimos a essa profusão de tratamentos e técnicas antiidade. Some-se a isso as dificuldades típicas da passagem dos anos e, de fato, para muitos, esse processo pode se tornar difícil. O primeiro passo é reconhecer as dificuldades do envelhecimento , ensina a psicóloga Maria Célia de Abreu, do Grupo de Profissionais para Estudos e Reflexões sobre Maturidade do IDEAC (Instituto para o Desenvolvimento Educacional, Artístico e Científico).

Esta é uma etapa de grandes transformações, em que a pessoa começa a sentir desgastes físicos, a ter limitações que antes não tinha, a sofrer perdas -- no trabalho, de oportunidades, de pessoas queridas. Os filhos saem de casa. É o último estágio , diz Maria Célia. Por isso é tão difícil aceitar a chegada dessa etapa. Mas de nada adianta querer segurar o processo à força, como se isso fosse possível.

O que pode ser feito sim é preparar-se para que ele seja o mais tranqüilo possível. Hoje, o envelhecimento saudável é um fator que engloba várias funções que culminam com a expectativa de vida alongada. Ele impõe não só boa condição física e mental, como também a inclusão social que lhe permita desempenhar tais funções , comenta a médica geriatra Luciane Páscoa, do Residencial Santa Catarina, em São Paulo.

É preciso investir na saúde do corpo, adotando bons hábitos desde cedo para preservar, ao máximo, as funções do organismo. Isso inclui exercícios físicos regulares, que melhoram a qualidade de vida. Após os trinta anos, o corpo humano tende a perder 10% da massa muscular a cada década e a única forma de evitar isso é fazer uso constante dos músculos.

Tão importante quanto preparar o corpo é preparar a cabeça. A participação em grupos é muito importante , nota a psicóloga Maria Célia. Além de inserir-se em equipes de terceira idade, vale fazer cursos, engajar-se em atividades dos mais diversos tipos e se dedicar ao voluntariado. O importante é não deixar a mente envelhecer. A espiritualidade também pode fazer muita diferença na hora de encarar os cabelos brancos. É a hora de devolver para a sociedade tudo o que recebeu , diz a psicóloga. Acima de tudo, é preciso ter objetivos de vida. A terceira idade está conseguindo um espaço em todas as atividades, do trabalho ao lazer. É possível envelhecer com dignidade , nota Luciane Páscoa. Envelhecer é obrigatório, crescer é opcional , ensina ela.


http://www.minhavida.com.br/conteudo/1474-Envelhecer-e-uma-arte44-escolha-as-suas-tintas.htm

Um comentário:

Anônimo disse...

OLÁ, AMIGOS.
GOSTARIA DE RECOMENDAR O PEQUENO LIVRO DE BOLSO DO PSICANALISTA E ESCRITOR RUBEM ALVES - "SE EU PUDESSE VIVER MINHA VIDA NOVAMENTE". ELE CHEGOU AOS 70 E NESSE LIVRO RICO DE CONTEÚDO NOS ENSINA A VER A VIDA SOB A ÓTICA DA VELHICE/ENVELHECER. LINDO!
LANA, 67.